Economia

FOMENTO

Banco da Amaznia comemora 73 anos de histria

09/07/2015 12h09 - Atualizado em 20/07/2015 16h35
Banco da Amaznia comemora 73 anos de histria
Fred Alves

Fred Alves

Considerado o principal agente financeiro de fomento do Governo Federal na região Norte, o Banco da Amazônia completa 73 anos de fundação nesta quinta-feira, 9 de julho. Em Pedro Afonso, para celebrar a data, a equipe de 12 colaboradores da agência local realizou um café da manhã com a presença de autoridades, clientes e parceiros.

A gerente geral da agência do Banco do Amazônia em Pedro Afonso, Dalva Fernandes, lembrou o histórico da instituição financeira e falou de sua contribuição para a economia brasileira. “Criado em 1942 como banco de crédito da borracha, as longo de mais sete décadas, tem sido protagonista de momentos importantes para história econômica da região, do Brasil e do Mundo. Com uma rede composta por nove superintendências e 124 agências o banco utiliza estratégia de ação que engloba o atendimento do micro ao grande visando o desenvolvimento do segmento de menor porte, como da agricultura de base familiar. Quero traduzir em números essa grandiosidade ao longo de mais três décadas de existência do FNO, já realizou mais de 600 mil operações de crédito injetando na economia local mais de 29 bilhões. Em 2014 aplicamos 5,37 bilhões em todos os segmentos, agricultura, pecuária, comercio, serviços, empreendedor individual e agricultura familiar. O TO aplicou 978 milhoes, sendo que nossa unidade contribuiu com 30 milhoes. Registro que apesar de ter apenas 17 agências, o Tocantins aplicou 100% dos 139 município do estado., afirmou a gerente.

Dalva Fernandes ainda lançou mais uma edição da gincana ecológica que tem como parceiro o Clube de Desbravadores, ligado à Igreja Adventista do Sétimo Dia.

Fomento ao agronegócio
O produtor rural José Edgar de Castro Andrade, um dos sócios da Fazenda Brejinho, destacou a credibilidade do Banco da Amazônia e sua contribuição para o fomento da agropecuária.

“Conhecemos a importância do Banco da Amazônia na comunidade de Pedro Afonso e região. A instituição tem uma história consolidada e seu diferencial é o fomento ao desenvolvimento regional”, disse o prefeito de Pedro Afonso, Jairo Mariano (PDT), que prestigiou o evento.

Ao lado de outros cooperados, o presidente da Coapa, Ricardo Khouri, esteve na comemoração e reafirmou a parceria com o Banco da Amazônia.

História
A história do Banco da Amazônia está diretamente relacionada com o desenvolvimento econômico da região amazônica nas últimas seis décadas. Mas o surgimento da instituição demonstra o seu importante papel também na economia mundial.

Anos 40 - Nasce em plena 2ª Guerra Mundial com o objetivo de financiar a produção de borracha destinada aos países aliados. Naquele momento, os japoneses dominavam as principais fontes produtoras, situadas na Ásia, e a Amazônia era o único lugar do Mundo Livre em condições de fornecer a goma elástica.

A partir do Acordo de Washington firmado entre Brasil e Estados Unidos, o Decreto-Lei nº 4.451, de 9 de julho de 1942, cria o Banco de Crédito da Borracha, com participação acionária dos dois países e o desafio de revigorar os seringais nativos da região, cuja economia estava estagnada nos 30 anos posteriores ao fim da Era da Borracha.

Anos 50 - Após a guerra, a borracha oriental volta ao mercado mundial e, mais barata, supera a borracha nativa da Amazônia. Em 1950, o governo federal cria o Banco de Crédito da Amazônia S/A, ampliando o financiamento para outras atividades produtivas e assumindo contornos pioneiros de banco regional misto, a partir da implementação do Primeiro Plano de Valorização Econômica da Amazônia e dos novos pólos de crescimento propiciados pelo Governo Juscelino Kubitscheck com a abertura da rodovia Belém-Brasília.

Anos 60 - A partir de 1966, assume o papel de agente financeiro da política do Governo Federal para o desenvolvimento da Amazônia Legal, já com o nome de Banco da Amazônia, tornando-se depositário dos recursos provenientes dos incentivos fiscais.

Anos 70 - Em 1970, passa ser uma sociedade de capital aberto, tendo o Tesouro Nacional 51% das ações e o público 49%. Em 1974, é alçado a agente financeiro do Fundo de Investimento da Amazônia (Finam), administrado pela Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia (Sudam), atuando na expansão da fronteira agrícola e no avanço da industrialização regional.

Anos 80 e 90 – Como gestor do Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO), criado em 1989, possibilita aos mini, micro e pequenos produtores e empresários da região o acesso a uma fonte permanente e estável de financiamentos de longo prazo, com encargos diferenciados, resultando no crescimento de postos de trabalho e da geração de renda.

Século 21 – Atuação voltada para o desenvolvimento sustentável da Amazônia Legal, através da definição de critérios rigorosos na análise do crédito. Modernização tecnológica, expansão da rede de atendimento e foco no cliente, tanto Pessoa Física como Pessoa Jurídica. Novas fontes de recursos. Nova marca.
Estas são algumas mudanças em curso no Banco da Amazônia, que, a partir de 2002, deixou de usar a antiga sigla BASA para reforçar seu importante papel para o crescimento econômico da região baseado na sustentabilidade.

Passa a diversificar suas fontes de financiamento de longo prazo, inclusive com recursos internacionais. Também amplia sua responsabilidade sócio-ambiental, através de programas corporativos, bem como no patrocínio a ações culturais, esportivas e sociais.