quinta, 08 de dezembro de 2016
22º Min 32º Max
Pedro Afonso - TO

Educação e Cultura

OPINIÃO

A política: acreditar nela

23/02/2016 15h50 - Atualizado em 23/02/2016 15h55

Júlia Silva é cerimonialista e especialista em Gestão Educacional
juliaguarai@hotmail.com

A política enfrenta sérias críticas, em decorrência de tanta corrupção. Deixa a sociedade com desconfiança e total descrédito naqueles que têm o papel de serem guardiões dos bons projetos e do bem público. Muitos políticos são apenas meros recebedores de salários e usurpadores de mordomias. Não têm uma administração responsável. Não fiscalizam, não questionam e nem propõem algo aplicável que favoreça e melhore a qualidade de vida do povo.

“Todo político é corrupto”. Essa frase se tornou comum, pois, com o sistema corrompido por homens sem caráter e por tantas evidências de irresponsabilidades e desvios do dinheiro público, muitos já não acreditam mais na política. Por outro lado, ao adentrarem no sistema, cidadãos que desejam promover a mudança, muitas vezes, ficam de mãos atadas e se adequam aos interesses pessoais, pensando na reeleição.

Será que é possível manter os padrões morais, não se render aos salários exorbitantes, aos auxílios, às verbas indenizatórias e demais “práticas consideradas legais”, mas, indecentes? Isso é ético? Onde estão os parâmetros de igualdade e justiça? Quais são os princípios daqueles que estão sempre buscando algo em troca como, por exemplo, eleitores que pedem ou recebem doações para construção, eventos, ajuda para quitar água, energia, botijão de gás? Pensam que devem favor e votam por obrigação. Isso é mesquinho e interesseiro!

Vale refletir. É preciso acreditar em homens e mulheres com mentes renovadas, para lutar pelo país, estados e municípios. Cidadãos que não aceitam desvios de impostos para seus bolsos, mas trabalham, a fim de amenizar a desigualdade social, lutam por investimentos necessários à educação, segurança, saúde e, principalmente, visam ao bem coletivo.

É possível, sim, viver de maneira ética, sem corrupção, sem ferir os princípios da lei e da moral. Acreditar que nem todos estão no patamar que envergonha a política.
O político que usa seu mandato para desviar recursos ou para enriquecer ilicitamente não deve ter apoio, mas repúdio da sociedade. Aqueles que entram por esse caminho causam desordem e anarquia. Jamais devem ser reeleitos.

Portanto, políticos precisam se portar como representantes de toda sociedade. Respeitar o voto consciente. Reconhecer a responsabilidade social, a fim de melhorar as condições do povo que os elegeu. Assim, todos lograrão êxito. E a política terá credibilidade.
 

Veja Também