sábado, 03 de dezembro de 2016
22º Min 34º Max
Pedro Afonso - TO

Educação e Cultura

ATITUDE

Bênção ou maldição?

29/03/2016 15h46 - Atualizado em 30/03/2016 11h47
Bênção ou maldição? Divulgação

Júlia Silva é é cerimonialista e especialista em Gestão Educacional

juliaguarai@hotmail.com


Você já parou para refletir sobre a influência que exercemos na vida das pessoas, família, amigos, colegas? Será que representamos algo positivo ou negativo? Cuidamos somente dos nossos interesses ou também do interesse coletivo? As pessoas com as quais convivemos são melhores do que nós? Influenciam-nos para o bem ou para o mal?

“O Ser Humano é um produto do meio em que ele vive”, diz o pensador Jean Paul Satre. Muito sério isso, porque existem milhares de pessoas que prejudicam ou são prejudicadas com suas influências negativas, tóxicas. Fazem o mal, estão por todos os lugares, seja no âmbito familiar, no círculo de amizades, no ambiente de trabalho, enfim, nos diversos espaços e momentos da nossa vida.

Mas precisamos tomar uma atitude, porque somos construídos ou destruídos em nossas relações. Às vezes, não percebemos o quanto fazemos o mal, quando desmotivamos, julgamos sem conhecimento de causa, somos mau testemunho, faltamos com a verdade, prejudicamos o próximo com calúnias e difamações...

Em tudo, existem as influências positivas e negativas. Por isso, é importante sempre procurar as melhores coisas, ideias ou pessoas para que nos influenciem de forma benéfica. É importante refletirmos sobre as nossas companhias. Elas estão nos fazendo bem, incentivam? Corrigem quando erramos? Ajudam a sermos melhores como seres humanos? Temos afinidades ou são companheiras meramente por conveniência?

Se tivermos ao nosso lado pessoas de caráter, grandes formadores de opinião, certamente seremos influenciados a sermos melhores como seres humanos, a buscar mais a palavra de Deus, o conhecimento, sermos obedientes, cumprir regras e normas, crescer e conseguir o melhor coletivamente.

Esta passagem bíblica nos exorta, dizendo: “Em tudo seja você mesmo um exemplo para eles, fazendo boas obras. Em seu ensino, mostre integridade e seriedade, use linguagem sadia contra a qual nada se possa dizer, para aqueles que se opõem a você fiquem envergonhados por não poderem falar mal de nós”. (Tito 2: 7-8). É importante existir a reciprocidade em todos os aspectos. As diferenças e afinidades sejam harmônicas, fortaleçam os laços, criando um clima de confiança entre as pessoas.

Nosso papel na sociedade não é, simplesmente, ter boa performance, mas, sobretudo, integridade. “Que a integridade e a retidão me protejam, porque a minha esperança está em ti”, diz o Salmo 25: 21. Podemos ser influência positiva quando dependemos totalmente de Deus e a nossa vida for direcionada pelos ensinamentos bíblicos, pelas diretrizes da ética.

Enfim, estamos influenciados para o bem ou para o mal. Não existe neutralidade: somos bênção ou maldição. Portanto, vale a pena refletir sobre as nossas atitudes.

Leia também:

A política: acreditar nela


Leia por Assunto: Júlia Silva artigo
Veja Também