terça, 19 de junho de 2018
19º Min 32º Max
Pedro Afonso - TO

Educação e Cultura

REDUÇÃO DE ÔNIBUS

Sem transporte, universitários questionam critérios adotados pela Prefeitura de Pedro Afonso

14/02/2018 17h15 - Atualizado em 17/02/2018 11h32

Fred Alves

Com o início das aulas do ano de 2018, pedroafonsinos que estudam em uma faculdade particular da cidade de Guaraí foram surpreendidos com a notícia de que a Secretaria da Educação de Pedro Afonso reduziu o número de ônibus que faziam o transporte dos acadêmicos.

Duas listas já foram divulgadas, uma com 85 nomes de alunos que serão beneficiados com o transporte universitário e outra com 45 alunos, de um total de 230. Dessa forma, conforme relatos, 100 alunos ficaram sem o transporte fornecido pela prefeitura em contrapartida com os estudantes que pagavam parte das despesas com o deslocamento para Guaraí.

A principal reclamação de quem ficou fora da lista é que a seleção dos beneficiados não foi justa, pois dentre os contemplados estariam muitas pessoas que não se encaixariam como “carentes” ou até mesmo de “baixa renda”, entre eles, profissionais liberais que atuam em empresas privadas, funcionários públicos e filhos de pessoas que possuem renda financeira de média à alta.

“A lista com os nomes dos selecionados é pública e pode ser conferida por qualquer um que queira comprovar o fato”, disse um universitário que ficou fora da lista e garante tem renda de apenas dois salários mínimos e só conseguir estudar por ter conseguido acesso ao financiamento estudantil.

“A informação é que os ônibus que transportam os alunos da rede estadual, que estão parados devido à falta de repasse financeiro do governo do Estado, voltem a circular e atendam todos, mas isso ainda não é certeza. Mesmo que isso aconteça, pelo estado de conservação desses veículos, eles não têm condições para oferecer um serviço contínuo e seguro”, disse outro aluno.

Os alunos que ficaram sem transporte público estão buscando alternativas para continuar estudando em Guaraí. Alguns estão dividindo custos e indo de carro e um outro grupo está se organizando para alugar uma van com capacidade para transportar 30 alunos. Também há casos de universitários que, sem condições financeiras, deixaram de ir às aulas e ainda esperam a volta dos ônibus da prefeitura.

Resposta da prefeitura 

Em nota, a Prefeitura de Pedro Afonso informou que está buscando alternativas para resolver o problema é que a diminuição no número de ônibus que transportavam os universitários ocorreu em virtude de mudanças na logística de translado dos alunos da Educação Básico.

Já a respeito do questionamento dos alunos sobre a falta de critérios para selecionar os alunos que continuarão contando com o serviços, a administração municipal se limitou a dizer que “a Secretaria de Trabalho e Assistência Social elaborou uma lista de alunos que seriam beneficiados com as vagas do transporte universitário, levando em consideração o critério de menor renda autodeclarada”.

Confira a nota completa abaixo:

NOTA DE ESCLARECIMENTO
TRANSPORTE PÚBLICO UNIVERSITÁRIO

A Prefeitura de Pedro Afonso informa aos acadêmicos cadastrados no Transporte Público Universitário do município que está buscando alternativas para atender as demandas referente ao número de alunos que utilizam o transporte universitário.

No ano de 2017, 180 acadêmicos eram transportados por nove ônibus, seis do Governo do Estado e três do Executivo Municipal, que faziam a rota diariamente ao município de Guaraí, cidade onde está localizada a sede da faculdade. Entretanto, com a redução dos ônibus disponibilizados para a rota universitária, em virtude de mudanças na logística de translado dos alunos da Educação Básica, a Prefeitura de Pedro Afonso conta, para o atendimento dos 211 acadêmicos cadastrados em 2018, com apenas quatro ônibus que dispõe de 130 vagas, gerando um impasse com a alocação do número de estudantes solicitantes do serviço.

Desta forma, a Prefeitura de Pedro Afonso, por meio da Secretaria de Trabalho e Assistência Social, elaborou uma lista de alunos que seriam beneficiados com as vagas do transporte universitário, levando em consideração o critério de menor renda autodeclarada.

No entanto, a gestão municipal é sensível às demandas dos alunos e busca soluções alternativas para sanar o transporte de todos os alunos cadastrados e está negociando outros órgãos para viabilizar o atendimento da demanda.


  

Veja Também