segunda, 20 de agosto de 2018
22º Min 35º Max
Pedro Afonso - TO

Educação e Cultura

MANIFESTAÇÃO

Estudantes cobram merenda escolar e melhorias na infraestrutura do Colégio Cristo Rei

29/05/2018 11h45 - Atualizado em 06/06/2018 09h22

Henrique Lopes

As principais ruas de Pedro Afonso foram tomadas na manhã da terça-feira, 29 de maio, por centenas de estudantes do Colégio Cristo Rei. Com cartazes e apitos, e palavras de ordem usando um carro de som, os alunos do turno matutino protestaram contra a falta de merenda escolar que, segundo relatos, não é fornecida há quase dois meses.

Os estudantes não assistiram as aulas. A previsão é que a manifestação também ocorra nos turnos vespertino e noturno.

Nathanael Sipaúba, presidente do grêmio estudantil da maior instituição de ensino de Pedro Afonso, que atende cerca de 600 alunos de 21 turmas do ensino médio nos três turnos, disse que mais de 300 alunos participaram da manifestação apenas no período matutino.

Entre as pautas destacadas por Nathanael estão a falta de lanche e também a péssimas condições estruturais da escola. “Estamos cobrando nossos direitos, pois estamos há mais de um mês sem lanche e existem alunos carentes que só tem essa refeição no período da manhã. Tem aluno desmaiando na escola. Além disso, estamos protestando contra a falta de estrutura em nossa escola”, disse o presidente do Grêmio Estudantil do Colégio Cristo Rei, Natanael Sipaúba, de 16 anos.

A estudante do 3º Ano Vitória Gomes afirmou que o problema atinge principalmente alunos da zona rural. “Tem muitos alunos que precisam do lanche, alunos que são da zona rural e acordam cedo para estar na escola e ela não fornece algo que é de direito, que é o lanche. Isso é algo injusto”, relatou a terceiro anista de 17 anos.

Já Pedro da Silva Santos, 16 anos, do 1º Ano, destacou que os alunos demoraram para se mobilizar sobre a falta de merenda. “Essa manifestação já era pra ter acontecido há mais tempo, pois tem meses que estamos sem lanche e a gente pede, conversa e ninguém nos ouve”.

Impasse sobre a reposição
Conforme a gestora do Colégio Cristo Rei, Eliezia Campos, por causa do protesto organizado pelos alunos, as aulas desta segunda-feira serão repostas. “É uma movimentação feita pelos alunos, um posicionamento deles, entretanto para não os deixar no prejuízo vamos organizar uma forma de repor as aulas de hoje junto com a Diretoria Regional de Ensino”, frisou.

Já o professor Marcos André Silva Oliveira questionou a reposição de aulas já que para ele, os professores e servidores da escola de forma geral não incentivaram o movimento. “Estamos aqui cumprido o nosso rito diário. Poderemos fazer a reposição de conteúdos, mas não a reposição de aulas, pois não podemos ser prejudicados por algo que não foi realizado por nós servidores”, relatou.

Ainda segundo o educador, uma reunião foi realizada entre os alunos e a equipe da Diretoria Regional de Ensino de Pedro Afonso, mas nada foi feito. “Os alunos foram atendidos com descaso, tanto por parte da diretora regional como de suas assessoras. Isso se tornou público, pois os alunos relataram que foram para o diálogo, para reivindicar aquilo é de direito deles”, completou Marcos André.

Seduc e DRE

Procurada, a Secretaria de Estado da Educação, Juventude e Esportes (Seduc) informou que a falta de alimentação no Colégio Cristo Rei se deu em decorrência do atraso do repasse federal, feito por meio do Plano Nacional de Alimentação Escolar (Pnae), e que o recurso, contudo, já foi creditado e a alimentação escolar deve ser normalizada.

Já a diretora regionanal de Ensino de Pedro Afonso, não foi encontrada para comentar a falta de merenda e a queixa dos alunos que teriam sido tratados por descaso. A informação é que ela estaria viajando a trabalho. O espaço segue aberto, caso ela queira se manifestar. 

Itacajá
Um movimento semelhante também foi realizado por estudantes do Colégio Estadual de Itacajá, localizada no município de Itacajá, nesta segunda-feira, 28. Na pauta principal da mobilização também estava o retorno da merenda escolar.

Problema afeta outras cidades
Em março deste ano, o Ministério Público estadual, por meio do promotor de justiça Luiz Antônio Francisco Pinto, abriu uma Ação Civil Pública, para que o estado regularizasse a situação dos lanches nas escolas de Pedro Afonso e de Itacajá. A ação também previa a retomada da merenda escolar nos municípios de Centenário, Santa Maria do Tocantins, Bom Jesus do Tocantins, Tupirama e Itapiratins.





Veja Também