quarta, 14 de novembro de 2018
22º Min 35º Max
Pedro Afonso - TO

Por dentro do Agronegócio

SALDO POSITIVO

Coapa fatura R$ 98 milhões no 1º semestre de 2018

31/08/2018 15h50 - Atualizado em 06/09/2018 08h47

Durante assembleia geral extraordinária, na noite do dia 29 de agosto, diretores e gestores da Cooperativa Agroindustrial do Tocantins (Coapa) apresentaram o balanço das atividades comerciais e sociais do primeiro semestre de 2018.

A reunião teve a participação de 40 cooperados e 12 colaboradores e ocorreu no auditório da cooperativa, em Pedro Afonso.

Na oportunidade, o assessor jurídico e contábil João Lopes expôs a prestação de contas das quatro unidades. O destaque foi o faturamento de R$ 98 milhões apenas no primeiro semestre, valor correspondente a 88,2% de todo o faturamento alcançado pela Coapa em todo o ano de 2017.

Em sua apresentação, o gerente comercial Nelzivan Carvalho Neves informou que a meta é que ocorra um aumento nas vendas de insumos agrícolas, saindo dos R$ 34.071.838,95 no ano agrícola anterior para R$ 42.429.460,00 na Safra 2018/2019. Ele também citou outro número positivo: na atual safra, a cooperativa já comercializou 290 mil sacas de soja (mercado futuro), com o preço médio de R$ 76,34 por saca, o melhor preço que está sendo pago na região. Essa venda representa um montante de R$ 22.140.000,00, equivalente a 22,14% da meta estabelecida para esta safra que é comercializar R$ 100 milhões em grãos.

“A intenção da cooperativa é que o faturamento com a venda de grãos cresça 15% em relação à Safra 2017/2018, que foi de R$ 86.784.344,00”, explicou Nelzivan Carvalho Neves.

A apresentação dos gestores ainda teve a explanação da agente de desenvolvimento cooperativista Mariana Silvana Ramos, com ênfase nos eventos e cursos profissionais realizados para cooperados, colaboradores e comunidade; atuação nos conselhos municipais; festividades em comemoração aos 20 anos da Coapa e a participação da cooperativa em projetos de caráter social como o Ação Global e o Dia de Cooperar.

Ao final da assembleia geral extraordinária foram sorteadas duas cestas com presentes e os ganhadores foram os cooperados Gilso Corazza e Elizandro Sinigaglia.

Transparência e planejamento
O presidente da Coapa, Ricardo Khouri, ressaltou os resultados positivos da cooperativa e frisou que a realização da assembleia semestral atende um anseio do quadro social. “Foi uma sugestão dada na última assembleia geral, na qual os cooperados solicitaram que no lugar de fazermos uma única reunião de prestação de contas anual, dividíssemos ela semestralmente, para possibilitar uma análise mais detalhada dos números e resultados. Isso faz com que a cooperativa seja ainda mais transparente. É importante ressaltar que a prestação de contas final será a do mês de março de 2019”, explicou o dirigente.

Para Ricardo Khouri, além da avaliação dos resultados, um dos grandes avanços conquistados com a assembleia semestral foi a modernização do estatuto da cooperativa. “Alguns parágrafos e artigos já não atendiam mais ao dinamismo comercial da Coapa, principalmente no que diz respeito a relação com os agentes financeiros”, completou Ricardo Khouri.

A nova metodologia de apresentação dos dados da Coapa agradou os cooperados, que destacaram que, agora, podem analisar de forma mais específica os investimentos e resultados, como afirmou o produtor rural Evanis Roberto Lopes. “Esse formato é importantíssimo para nós do quadro social da Coapa, pois muitas vezes alguns associados não sabiam o que estava acontecendo. Hoje, com esse método, nós temos noção do andamento da cooperativa e a sua real situação. Se estiver tendo algum problema, podemos pensar na solução e no final do ano é mais fácil saber o que aconteceu, na prestação de contas geral”, frisou Evanis.

Membro do Conselho de Administração da cooperativa, o agropecuarista José Edgar de Castro Andrade destacou a forma transparente como trabalha a atual diretoria da Coapa e o acesso dado aos dados financeiros e comerciais. “É algo extremamente positivo, pois em um espaço de um ano tem muita coisa que a gente esquece e não se lembra mais. Os dados que chegam de seis em seis meses são mais reais e nos permite fazer uma avaliação mais precisa e as mudanças que forem necessárias”, avaliou.

José Edgar acredita que a cooperativa atravessa um ciclo de evolução constante. “Estamos em um crescente, temos muitos produtores novos, a região está crescendo em área plantada. Acredito que dentro de cinco anos nossa cooperativa já apresentará resultados ainda mais significativos”, completou.

 

Veja Também