Cidades

RODOVIAS ESTADUAIS

Usurios sofrem com buracos: TO-010 deve ser revitalizada; obra da 248 segue paralisada

19/04/2019 10h12 - Atualizado em 22/04/2019 17h28
Usurios sofrem com buracos: TO-010 deve ser revitalizada; obra da 248 segue paralisada
Ambulncia passa por trecho esburacado da TO-010, entre Santa Maria e Bom Jesus

Henrique Lopes

Quem trafega nas estradas da região centro-norte do estado deve redobrar a atenção. Buracos que surgem no período chuvoso podem causar acidentes e também danificar os veículos. A situação também compromete o escoamento da produção agropecuária.

Entre os pontos mais críticos estão o trecho de quase 70 quilômetros da TO-010, entre as cidades de Santa Maria do Tocantins e Bom Jesus do Tocantins; e o da TO-248, que liga os municípios de Santa Maria e Recursolândia, na divisa com o estado do Maranhão, que aguarda o retorno das obras de pavimentação.

Recentemente, a reportagem do Portal CNN percorreu o trecho da TO-010, que também é usada por moradores de Recursolândia, Centenário e Itacajá, e constatou centenas de buracos ao longo da pista. Já o trecho de TO-010 que não tem pavimentação tem buracos e atoleiros.

“Todo ano é assim, basta chover e começa a buraqueira. A falta de condições da estrada dificulta o transporte de pacientes”, contou um motorista de ambulância, que preferiu não se identificar.

Revitalização
Procurado pelo Portal CNN, o Governo do Estado, por meio da Agência Tocantinense de Transportes e Obras (Ageto), assegurou que a TO-010, entre Bom Jesus do Tocantins e Santa Maria do Tocantins, será uma das contempladas pela força-tarefa de revitalização de rodovias que deveria ter começado no último dia 15 de abril, mas devido às condições climáticas, foi adiada por 10 dias.

Ainda de segundo a Ageto, o objetivo é restabelecer a malha viária tocantinense em um prazo máximo de 60 dias.

Sem previsão 
Já em relação ao trecho da TO-248, a administração estadual aguarda posicionamento judicial para dar continuidade à pavimentação, iniciada em 2016, mas paralisada logo depois por suspeita de fraudes e superfaturamento da obra.