Cidades

NJC

Jovens debatem protagonismo em cooperativas

19/04/2019 10h23 - Atualizado em 23/04/2019 09h37

A sustentabilidade e o futuro do cooperativismo pela perspectiva dos jovens foi abordada no encontro realizado na noite de 17 de abril, no auditório da Cooperativa Agroindustrial do Tocantins (Coapa), em Pedro Afonso.

Criado em 2016, o Núcleo Jovem Cooperativo do Tocantins (NJC), protagonista na inclusão dos debates juvenis dentro das cooperativas da região norte, sendo o primeiro grupo juvenil do estado do Tocantins, reuniu 17 jovens da Coapa, Sicredi e da Cooperativa dos Educadores de Pedro Afonso (Coed), pais e representantes dos Conselhos de Administração e Fiscal da Coapa para dialogar sobre as propostas de atuação dos jovens no fortalecimento do cooperativismo e no crescimento da cooperativa.

Em busca de “oxigenar” o processo de participação dentro da cooperativa, os integrantes do Núcleo Jovem apresentaram sua nova identidade visual e abordaram assuntos como sucessão familiar e o envolvimento dos adolescentes e jovens nas ações executadas pela Coapa.

Durante o encontro também foi explanado sobre a necessidade de alterações no regimento interno do NJC e sobre as eleições da nova coordenação, que será realizada em junho, sendo abordado, também, a necessidade de formações junto ao Sistema OCB/Sescoop-TO.

Acompanhando a reunião, o vice-presidente da cooperativa, Alberto Mazzola, frisou a necessidade do apoio aos jovens e destacou o envolvimento deles nas ações da cooperativa como um forte aporte para a sucessão familiar e o desenvolvimento cooperativista. “Temos que dar todo o apoio para que os jovens participem desse processo de forma inclusiva, pois eles irão nos suceder. Não estamos aqui para trabalhar como grupos distintos, diretoria, conselho e núcleos, mas todos juntos em busca do melhor. Daqui do núcleo já saiu jovens que hoje fazem parte do Conselho Fiscal e isso mostra a importância dessa integração”, frisou o vice-presidente.

Para o conselheiro fiscal da Coapa Laércio Diana, o momento é de repensar a participação dos jovens e garantir maior inclusão. “Esse envolvimento faz com que o cooperativismo ganhe mais força e que seja uma construção feita por todos. É dessa forma que vamos ter um cooperativismo forte e inovador”, afirmou.

Já o coordenador do Núcleo Jovem, Marcos Mazzola ressaltou que o principal ponto a ser observado é que a cooperativa é formada por todos. “A cooperativa não é apenas dos nossos pais, mas também nossa. Estar aqui dentro participando, auxiliando, faz com que no futuro, nós, que iremos dar continuidade aos trabalhos, possamos ter uma liderança mais forte. Esse momento garantiu que o núcleo se unisse ainda mais e que nossas ideias e demandas fossem ouvidas”, declarou.